Publicado por: Wally | Domingo, Fevereiro 15, 2009

As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian

star1star1star1

Quando uma guerra começa a ser travada entre os telmarinos e os narnianos, pelo posse da terra de Nárnia e a sobrevivência das criaturas, o herdeiro do trono em Cair Paravel, o jovem Príncipe Cáspian, usa o trompete mágico da rainha Susan, chamando ela e os seus três irmãos de volta a Nárnia para se unirem a batalha. Mas enquanto o tempo em Nárnia se passou em 1,300 anos, para os irmãos, foram apenas um.

Três anos após o fiel, redondo, infantil e até divertido primeiro filme sobre o mundo mágico de Narnia conquistar gerações, surge sua continuação que, seguindo na onda da série Harry Potter, adentra um clima seguramente menos infantil e mais sombrio que da primeira aventura. Se o primeiro filme continha defeitos, ao menos possuía um senso de magia recompensador, unido ao belo visual (ainda que apresentasse efeitos especiais frívolos). Para quem se irritou com o tom demasiadamente leve do filme original, “Príncipe Cáspian” oferece uma carregada. Começa já em um reino monárquico cercado de traições e possui uma metade final com muito mais ação que a do primeiro filme. Mas se a aventura aqui aumentou consideravelmente, o senso de magia que fez do primeiro filme o que foi caiu drasticamente, decepcionando os mais ávidos, dos quais talvez esperassem de “Príncipe Cáspian” um filme ainda melhor que o primeiro. Não é. Ainda assim, permanece de alguma forma no mesmo nível, equilibrando seus acertos e erros o suficiente para entregar uma sessão divertida como foi da primeira vez. O que ele perde em magia, ele ganha em entretenimento.

As simbologias religiosas ainda estão todas lá, ainda que em menor grau. O que já nos da uma idéia de que foi mantida certa fidelidade ao texto original de C.S. Lewis, cujos sete livros sobre o mundo de Narnia abordam mitologias diversas dialogando diretamente com fatos bíblicos. Curiosamente, um dos melhores momentos do filme (se não o melhor) reside justamente na cena mais, digamos, simbólica de todas, onde a feiticeira branca do primeiro filme surge encarnando novamente o demônio, seduzindo dois dos personagens principais a realizar um pacto com ela. O primor técnico da seqüência é admirável e, ainda em maior grau, a delícia de atuação de Tilda Swinton (O Curioso Caso de Benjamin Button) que, ótima na pele do mal, ofusca completamente todo o resto do elenco mirim extremamente fraco. Se o elenco juvenil da série do “Harry Potter” começou razoável, ao menos foram oferecendo melhorias ao longo dos capítulos seguintes. Já o elenco mirim de “As Crônicas de Narnia” não empolgou no primeiro e, agora, decepciona quem esperava um avanço. Estão ainda piores. As caras e bocas, a dramatização frívola e as tentativas de humor forçadas doem no espectador, que ainda precisa aturar um outro falho protagonista. Desta vez, Ben Barnes (Stardust – O Mistério da Estrela), numa atuação extremamente caricata do tal príncipe do título.

O que surge no novo capítulo com uma evolução simplesmente fantástica é a parte técnica. Desde o primeiro fomos encantados pela maquiagem meticulosa, além de uma  direção de arte primorosamente deslumbrante, mas os efeitos especiais falhos e ainda superestimados pela crítica (e pela Academia) foram aperfeiçoados em “Príncipe Cáspian”, que possui uns dos melhores utilizo de efeitos especiais no ano. No filme relativamente grande demais, a primeira metade chega a se arrastar, com cenas desnecessárias cujos artifícios usados pelo roteiro nunca conseguem empolgar, mas a segunda metade já oferece maior apelo ao entretenimento, onde entram os efeitos estrondosamente especiais e cenas de ação bem construídas. No meio de tudo, porém, é inevitável não reconhecer inspirações vindas direto da série de “O Senhor dos Anéis”, sejam nas próprias lutas ou mesmo o aparecimento de árvores no combate nos últimos minutos da batalha.

O novo capítulo da saga em Nárnia, no fim das contas, pode funcionar – ou não – sob diversas maneiras. Pode decepcionar quem se apaixonou com a inocência mágica do primeiro, da mesma forma que pode oferecer um avanço para aqueles que acharam o primeiro bobo demais. Mas acho que ambos os filmes apresentam seus erros e acertos, equilibrando-se. “Príncipe Cáspian” é longo demais, possui uma primeira metade bem falha e arrastada, além de pretensões óbvias de ser mais sombrio, ainda que caia continuamente no tom de ingenuidade. Ainda assim, é uma aventura que diverte, empolga em seu último ato onde podemos nos deixar levar pelos efeitos e pelo barulho, e possui ainda alguns retoques dramáticos em vezes cativantes. O elenco ainda é um ócio, mas se não existe vida nas interpretações deles, podemos encontrar reminiscências de vida mágica nas arestas do trabalho em si, que esconde virtudes além de suas óbvias e mortificantes falhas (primordialmente, no roteiro simplista). O fato é que a sensibilidade de Andrew Adamson na direção (o mesmo do anterior) evita que o filme caia no desnecessário e no mero produto. Só esperamos que, dá próxima vez, o amadurecimento seja coletivo, e não só em questões estéticas e atmosféricas. É preciso um roteiro conciso.

Nota: 7.5

The Chronicles of Narnia: Prince Caspian (2008)
Direção:
Andrew Adamson
Roteiro: Andrew Adamson, Christopher Markus, Stephen McFeely, baseado em romance de C.S. Lewis
Elenco: Ben Barnes, Georgie Henley, Skandar Keynes, William Moseley, Anna Popplewell, Sergio Castellitto, Peter Dinklage, Vincent Grass, Cornell John, Tilda Swinton, Liam Neeson
(Fantasia, 150 minutos)

Anúncios

Responses

  1. Tenho que rever o primeiro antes de ver essa continuação. Vou até fazer isso, senão acabado esquecendo hehehe.
    Vi o primeiro dublado no cinema e nem gostei tanto. Vou locar o DVD e assisti-lo com audio original. Depois emendo com a continuação.

  2. Esse está na minha lista de filmes para ver há alguns meses. E se tem árvores a combater, agora não posso perder isso! :-D

  3. Eu confesso que detestei o primeiro filme da série (sim, fui um dos poucos), por isso mesmo achei que essa continuação seria melhor – o que acabou ocorrendo. Realmente acho que teve um avanço em relação ao primeiro justamente por aquele ser bobinho demais.

  4. Eu adoro o primeiro filme, e nesse sentido me decepcionei com o segundo um pouco.. Fora q o ator q faz o prinicipe do titulo eh terrivel! :-S

  5. Também achei a continuação num bom nível, mas gostei mais do primeiro. Abs.

  6. Acho o primeiro filme meio chatinho, mas estou ouvindo falar muito bem deste segundo, apesar de ter ido mais ou menos bem de bilhteria. Quem sabe este segundo seja bem melhor que o anterior. ;)

  7. Cara, eu adoro As Crônicas de Nárnia, mesmo reconhecendo seus inúmeros erros. E gosto ainda mais desse segundo filme, me empolguei, me envolvi com a história e até me emocionei.

  8. Realmente, “Príncipe Caspian” é um capítulo inferior ao primeiro filme, mas surpreende mesmo pelo avanço de qualidade na parte técnica. Particularmente, fiquei ansiosa para a próxima parte porque, aparentemente, será estrelada pela Georgie Henley, a mais nova dos irmãos Pevensie.

  9. Wally, vejo graves problemas neste filme. Inclusive, já via os mesmos problemas no primeiro filme da saga. Os protagonistas são crianças e, no entanto, o Papai Noel (estou me referindo ao primeiro filme) dá a elas de presente armas (??????????????????). Além de tudo, eles constantemente matam coisas e até tentam matar pessoas – a Rainha Branca, por exemplo. Acho isso complicado para ser dirigido ao público infantil…

    Abs!

  10. Nárnia nunca me atraiu e não me pergunte porque… adoro filmes de fantasia, acho que falta eu ler o livro para ter vontade e acho que farei isso primeiro!

  11. eu adoro as crÔnicas de nárnia..pra mim é a melhor história do mundo inteiro…amo o primeiro filme quanto o segundo!!!ahh…e adoro o willian moseley(rei pedro)-ele pra mim é tudo!!!adoro também todos os irmãos de nárnia..ai ai pra mim eles são os melhores!!!e eu amo todos os filmes..todos todos..

  12. […] Masculina Ben Barnes (As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian) Bobb’e J. Thompson (Faça o que Eu Digo, Não Faça o que Eu Faço) Dev Patel (Quem Quer Ser […]

  13. […] e, pelo clima, apaixonada. Corta para Lisa e seu marido Peter, interpretado por Liam Neeson (As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian). Nas conversas, percebemos que infidelidade paira na cabeça de Lisa. Um dia, ela vai para Milão. […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: