Publicado por: Wally | Domingo, Fevereiro 15, 2009

As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian

star1star1star1

Quando uma guerra começa a ser travada entre os telmarinos e os narnianos, pelo posse da terra de Nárnia e a sobrevivência das criaturas, o herdeiro do trono em Cair Paravel, o jovem Príncipe Cáspian, usa o trompete mágico da rainha Susan, chamando ela e os seus três irmãos de volta a Nárnia para se unirem a batalha. Mas enquanto o tempo em Nárnia se passou em 1,300 anos, para os irmãos, foram apenas um.

Três anos após o fiel, redondo, infantil e até divertido primeiro filme sobre o mundo mágico de Narnia conquistar gerações, surge sua continuação que, seguindo na onda da série Harry Potter, adentra um clima seguramente menos infantil e mais sombrio que da primeira aventura. Se o primeiro filme continha defeitos, ao menos possuía um senso de magia recompensador, unido ao belo visual (ainda que apresentasse efeitos especiais frívolos). Para quem se irritou com o tom demasiadamente leve do filme original, “Príncipe Cáspian” oferece uma carregada. Começa já em um reino monárquico cercado de traições e possui uma metade final com muito mais ação que a do primeiro filme. Mas se a aventura aqui aumentou consideravelmente, o senso de magia que fez do primeiro filme o que foi caiu drasticamente, decepcionando os mais ávidos, dos quais talvez esperassem de “Príncipe Cáspian” um filme ainda melhor que o primeiro. Não é. Ainda assim, permanece de alguma forma no mesmo nível, equilibrando seus acertos e erros o suficiente para entregar uma sessão divertida como foi da primeira vez. O que ele perde em magia, ele ganha em entretenimento.

As simbologias religiosas ainda estão todas lá, ainda que em menor grau. O que já nos da uma idéia de que foi mantida certa fidelidade ao texto original de C.S. Lewis, cujos sete livros sobre o mundo de Narnia abordam mitologias diversas dialogando diretamente com fatos bíblicos. Curiosamente, um dos melhores momentos do filme (se não o melhor) reside justamente na cena mais, digamos, simbólica de todas, onde a feiticeira branca do primeiro filme surge encarnando novamente o demônio, seduzindo dois dos personagens principais a realizar um pacto com ela. O primor técnico da seqüência é admirável e, ainda em maior grau, a delícia de atuação de Tilda Swinton (O Curioso Caso de Benjamin Button) que, ótima na pele do mal, ofusca completamente todo o resto do elenco mirim extremamente fraco. Se o elenco juvenil da série do “Harry Potter” começou razoável, ao menos foram oferecendo melhorias ao longo dos capítulos seguintes. Já o elenco mirim de “As Crônicas de Narnia” não empolgou no primeiro e, agora, decepciona quem esperava um avanço. Estão ainda piores. As caras e bocas, a dramatização frívola e as tentativas de humor forçadas doem no espectador, que ainda precisa aturar um outro falho protagonista. Desta vez, Ben Barnes (Stardust – O Mistério da Estrela), numa atuação extremamente caricata do tal príncipe do título.

O que surge no novo capítulo com uma evolução simplesmente fantástica é a parte técnica. Desde o primeiro fomos encantados pela maquiagem meticulosa, além de uma  direção de arte primorosamente deslumbrante, mas os efeitos especiais falhos e ainda superestimados pela crítica (e pela Academia) foram aperfeiçoados em “Príncipe Cáspian”, que possui uns dos melhores utilizo de efeitos especiais no ano. No filme relativamente grande demais, a primeira metade chega a se arrastar, com cenas desnecessárias cujos artifícios usados pelo roteiro nunca conseguem empolgar, mas a segunda metade já oferece maior apelo ao entretenimento, onde entram os efeitos estrondosamente especiais e cenas de ação bem construídas. No meio de tudo, porém, é inevitável não reconhecer inspirações vindas direto da série de “O Senhor dos Anéis”, sejam nas próprias lutas ou mesmo o aparecimento de árvores no combate nos últimos minutos da batalha.

O novo capítulo da saga em Nárnia, no fim das contas, pode funcionar – ou não – sob diversas maneiras. Pode decepcionar quem se apaixonou com a inocência mágica do primeiro, da mesma forma que pode oferecer um avanço para aqueles que acharam o primeiro bobo demais. Mas acho que ambos os filmes apresentam seus erros e acertos, equilibrando-se. “Príncipe Cáspian” é longo demais, possui uma primeira metade bem falha e arrastada, além de pretensões óbvias de ser mais sombrio, ainda que caia continuamente no tom de ingenuidade. Ainda assim, é uma aventura que diverte, empolga em seu último ato onde podemos nos deixar levar pelos efeitos e pelo barulho, e possui ainda alguns retoques dramáticos em vezes cativantes. O elenco ainda é um ócio, mas se não existe vida nas interpretações deles, podemos encontrar reminiscências de vida mágica nas arestas do trabalho em si, que esconde virtudes além de suas óbvias e mortificantes falhas (primordialmente, no roteiro simplista). O fato é que a sensibilidade de Andrew Adamson na direção (o mesmo do anterior) evita que o filme caia no desnecessário e no mero produto. Só esperamos que, dá próxima vez, o amadurecimento seja coletivo, e não só em questões estéticas e atmosféricas. É preciso um roteiro conciso.

Nota: 7.5

The Chronicles of Narnia: Prince Caspian (2008)
Direção:
Andrew Adamson
Roteiro: Andrew Adamson, Christopher Markus, Stephen McFeely, baseado em romance de C.S. Lewis
Elenco: Ben Barnes, Georgie Henley, Skandar Keynes, William Moseley, Anna Popplewell, Sergio Castellitto, Peter Dinklage, Vincent Grass, Cornell John, Tilda Swinton, Liam Neeson
(Fantasia, 150 minutos)


Responses

  1. Tenho que rever o primeiro antes de ver essa continuação. Vou até fazer isso, senão acabado esquecendo hehehe.
    Vi o primeiro dublado no cinema e nem gostei tanto. Vou locar o DVD e assisti-lo com audio original. Depois emendo com a continuação.

  2. Esse está na minha lista de filmes para ver há alguns meses. E se tem árvores a combater, agora não posso perder isso! :-D

  3. Eu confesso que detestei o primeiro filme da série (sim, fui um dos poucos), por isso mesmo achei que essa continuação seria melhor – o que acabou ocorrendo. Realmente acho que teve um avanço em relação ao primeiro justamente por aquele ser bobinho demais.

  4. Eu adoro o primeiro filme, e nesse sentido me decepcionei com o segundo um pouco.. Fora q o ator q faz o prinicipe do titulo eh terrivel! :-S

  5. Também achei a continuação num bom nível, mas gostei mais do primeiro. Abs.

  6. Acho o primeiro filme meio chatinho, mas estou ouvindo falar muito bem deste segundo, apesar de ter ido mais ou menos bem de bilhteria. Quem sabe este segundo seja bem melhor que o anterior. ;)

  7. Cara, eu adoro As Crônicas de Nárnia, mesmo reconhecendo seus inúmeros erros. E gosto ainda mais desse segundo filme, me empolguei, me envolvi com a história e até me emocionei.

  8. Realmente, “Príncipe Caspian” é um capítulo inferior ao primeiro filme, mas surpreende mesmo pelo avanço de qualidade na parte técnica. Particularmente, fiquei ansiosa para a próxima parte porque, aparentemente, será estrelada pela Georgie Henley, a mais nova dos irmãos Pevensie.

  9. Wally, vejo graves problemas neste filme. Inclusive, já via os mesmos problemas no primeiro filme da saga. Os protagonistas são crianças e, no entanto, o Papai Noel (estou me referindo ao primeiro filme) dá a elas de presente armas (??????????????????). Além de tudo, eles constantemente matam coisas e até tentam matar pessoas – a Rainha Branca, por exemplo. Acho isso complicado para ser dirigido ao público infantil…

    Abs!

  10. Nárnia nunca me atraiu e não me pergunte porque… adoro filmes de fantasia, acho que falta eu ler o livro para ter vontade e acho que farei isso primeiro!

  11. eu adoro as crÔnicas de nárnia..pra mim é a melhor história do mundo inteiro…amo o primeiro filme quanto o segundo!!!ahh…e adoro o willian moseley(rei pedro)-ele pra mim é tudo!!!adoro também todos os irmãos de nárnia..ai ai pra mim eles são os melhores!!!e eu amo todos os filmes..todos todos..

  12. […] Masculina Ben Barnes (As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian) Bobb’e J. Thompson (Faça o que Eu Digo, Não Faça o que Eu Faço) Dev Patel (Quem Quer Ser […]

  13. […] e, pelo clima, apaixonada. Corta para Lisa e seu marido Peter, interpretado por Liam Neeson (As Crônicas de Nárnia – Príncipe Cáspian). Nas conversas, percebemos que infidelidade paira na cabeça de Lisa. Um dia, ela vai para Milão. […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: