Publicado por: Wally | Domingo, Fevereiro 8, 2009

Quatro Amigas e um Jeans Viajante 2

star1star1star1

Após terem seus destinos mudados depois de um verão inusitado onde dividiram semanalmente uma calça jeans que – misteriosamente – servia perfeitamente em todas as quatro amigas, estas partem agora para as aventuras após o término do colegial e o início de suas vidas adultas. Em encontros e desencontros, as amigas terão mais testes, lições e ensinamentos nas experiências a serem adquiridas por mais um verão.

É reconfortante poder assistir um filme acerca da adolescência que, para variar, soe adulto e realmente tenha algo a dizer – e melhor ainda – se prende a autênticas emoções e vivências humanas, transmitindo não só valores, mas um divertimento genuínio. É nesta definição  que – como seu ainda superior antecessor – este admirável “Quatro Amigas e um Jeans Viajante 2” se encaixa, fazendo jus à suas personagens e não perdendo o foco ao continuar seguindo as experiências destas quatro garotas como aventuras essênciais. Se o primeiro filme dialogava acerca do amadurecimento, este é sobre como encontrar a si mesmo. E, mesmo que possa se perder em vezes e cair no óbvio em outras, é de certa forma admirável o que a roteirista Elizabeth Chandler (a mesma do primeiro) almeja na difícil tarefa de adaptar não apenas um livro, mas três. Em outras palavras, transformando três anos (ou nesse caso, verões) em apenas um. É inevitável, por isso, sentir alguma irregularidade, e o sentimento não é tão fresco quanto foi da primeira vez, mas os valores se mantiveram, e o coração no lugar certo, unido às boas intenções, acabam te conquistando, principalmente quando se pode ser contagiado pelo bom humor e o elenco recompensador.

O elenco, alias, surge como um dos fortes do filme, cujo ritmo ou mesmo autênticidade é diversamente levantado pela habilidade dos atores. As quatro atrizes principais todas parecem amadurecer e, mais uma vez, o destaque é de America Ferrera (Sob a Mesma Lua), uma jovem atriz cujo brilho nos olhos é incontestável. Mas Amber Tamblyn (O Grito 2) surpreende e não fica para trás, sua personagem é a mais interessante. Blake Lively (Aprovados) e Alexis Bledel (Sin City – A Cidade do Pecado) seguem, ambas igualmente convincentes. O mais interessante é podermos deliciar com alguns coadjuvantes bem dignos e em papéis ótimos, como Blythe Danner (Um Beijo a Mais), Shohreh Aghdashloo (Jesus – A História do Nascimento) e Kyle MacLachlan (Toque de Rosa), todos com papéis pequenos mas suficientemente interessantes, conseguindo arrancar deles atuações pequenas mas expressivas. Todos aqui contribuem muito para o funcionamento e o delineamento do filme, exaltando o senso de realismo e deixando diálogos e cenas outrora deslocados plausíveis.

Afinal, o filme pode tocar em conflitos muito reais (e sempre urgentes), ter personagens com as quais nos identificamos e simpatizamos formidávelmente e transmitir lições e valores certeiros, mas em muitas vezes é perceptível uma oscilação de clima descomprometido à um densamente mais sério, dependendo do momento soando até em vezes superficial. É um erro, felizmente, cometido poucas vezes e, no geral, o filme tem o encantamento e a dignidade para conquistar e envolver confortávelmente a audiência nas histórias contundentes destas garotas, cujas estradas se revelam muito essênciais e cujo fim é construído com uma competência ótima pelo roteiro, conduzido ainda de maneira leve e viva por Sanaa Hamri (em seu segundo filme), uma cineasta que, apesar dos pecados, compreende a natureza e o sentimento da história e sabe que, mesmo que seja um drama com conflitos psicológicos e emocionais em vezes sérios, é preciso sempre uma boa dose de humor, um clima descompromissado e aquele sentimento único de divertimento que se assemelha tanto ao das personagens em sí nos respectívos momentos.

Recomendável então, é alertado que, primeiramente, é obrigatório ter visto o original. Parte da força deste filme é o sentimento que temos ao vermos as garotas com as quais tanto nos apaixonamos no capítulo anterior passando por novos testes e desafios. E claro, vale a pena ver a obra original, que é sim superior. É também digno alertar que, apesar do resultado final bom, do elenco muito competente, do belo visual e do clima sempre admirável, trata-se de um filme imperfeito, com rodeios, clichés e ocasionais momentos de previsibilidade. Ótimo então é vermos que tais defeitos são contornados com elegância por uma equipe simplesmente comprometida em contar a história de amizade dessas meninas, e o poder que esta história pode exercer é formidável. Basta se abrir e aceitá-la.

Nota: 7.0

The Sisterhood of the Traveling Pants 2 (2008)
Direção:
Sanaa Hamri
Roteiro: Elizabeth Chandler, baseado em romance de Ann Brashares
Elenco: Amber Tamblyn, Alexis Bledel, America Ferrera, Blake Lively, Rachel Nichols, Blythe Danner, Tom Wisdom, Rachel Ticotin, Michael Rady, Shohreh Aghdashloo, Jesse Williams, Kyle MacLachlan, Ernie Lively, Leonardo Nam
(Drama, 117 minutos)

Advertisements

Responses

  1. Terrivel .

    A Cena do Layout não sai da minha cabeça, penso em Pecados Ìntimos, vem esse poster na hora!

  2. Como já tinha comentado outra vez (acho que no blog do Alex, hehehe), não vi o primeiro filme da série e não estou muito empolgado para essa sequência. Meu maior interesse aqui é pelo elenco de atriz vindas de ótimas séries, como America Ferrera (“Ugly Betty”) e Blake Lively (“Gossip Girl”).

  3. Este tipo de filme realmente tem uma estrutura muito clichê, mas de vez em quando é quase obrigatório assistí-los. Pelo visto é parecido com o primeiro, um filme que não teve medo de errar, e por ser tão sincero, me conquistou. Vou procurar assistir esta continuação.
    Gostei da presença de America Ferrera.
    Ah, e mesmo confundido com o Daldry lá no blog, valeu pelo genial… ;) hahaha
    Abraço!

  4. Nem sabia da existência dessa sequência e nem vi o primeiro, rsrs. Se eu encontrar eu assisto… :)
    Abraço!

  5. Não vi o primeiro, nem pretendo, não gosto da premissa nem desse gênero teen específico, mas se um dia tiver passando na TV a cabo eu vejo. ;)

  6. Gosto bastante do primeiro filme, mas não me animei muito com a premissa deste. Quem sabe, vejo mais para frente. ;)

  7. Eu não vi nem o 1, Wally! Mas adoro a Rory Gilmore! Vou alugar os dois filmes em breve! Abs!

  8. Eu gostei do primeiro filme e adoraria ver esta sequência justamente por adorar duas atrizes do elenco: a Amber Tamblyn e a America Ferrera. Que bom que o filme consegue, no mínimo, ser interessante.

  9. como o vini disse, o atrativo mesmo do filme é o elenco. ainda nao conferi a sequencia, mas o primeiro é divertido.

  10. […] e um Jeans Viajante (Ken Kwapis, 2005) * Quatro Amigas e um Jeans Viajante 2 (Sanaa Hamri, 2008) ♦ Sim Senhor (Peyton Reed, 2008) ♦ Última Parada 174 (Bruno Barreto, […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: