Publicado por: Wally | Domingo, Dezembro 28, 2008

Jogo de Amor em Las Vegas

Quando Joy fracassa no seu relacionamento, e Jack fracassa no seu trabalho, ambos decidem ir para onde todos os fracassados vão para se divertir: Las Vegas, a cidade do pecado. Estranhos, eles logo iníciam uma longa noite de muitas bebidas e loucuras, apenas para acordarem no próximo dia com anéis nos dedos de casamento. A coisa se complica quando, num golpe de sorte, Jack vence 3 milhões de dollares com uma moeda de Joy. Inimigos, são sentenciados por julgamento à 6 mêses de casamento forçado.

O efeito de “Jogo de Amor em Las Vegas” é curioso. Lotado de clichês, estereótipado até o fim, previsível desde o início e cheio de pequenas falhas, o filme ainda assim consegue entreter que é uma maravilha. Antes de decair no rumo completamente bobo e (claro) previsível de seu ato final, é um filme alto astral, divertido, bem humorado e contundente, contando com uma dupla de atores que bolam entre sí uma química inquestionávelmente eficiente quanto o assunto é simplesmente se deixar levar pela descontração. É o que basta para enganar a audiência no sentido de surpreendê-la quando esta esperava apenas o habitual. “Jogo de Amor em Las Vegas” cai no lugar comum, mas cai com muito estilo.

Dirigido por Tom Vaughan, cujo primeiro filme ainda é inédito no Brasil e roteirizado por Dana Fox (Muito Bem Acompanhada), cujo primeiro roteiro foi dos mais enfadonhos, o filme começa e já sabemos tudo que vai acontecer. E quando digo tudo, falo sério. Difícilmente temos alguma surpresa. Isto ocorre por dois motivos. Primeiro que é um filme típico, e estamos antenados já ao que deve ocorrer cena por cena. Segundo que a maior parte das cenas engraçadas já foram vistas na prévia do filme, que não parava de passar nos cinemas. Ou seja, a sessão poderia muito bem ter sido irritante. Mas Vaughan deposita grande energia na produção e Fox faz seus personagens serem pessoas nem sempre superficiais ou unidimensionais. Claro que, em suma, seus atos todos são premeditados. Mas “Jogo de Amor em Las Vegas” ao menos não subestima sua audiência. Pelo contrário, a diverte de início ao fim.

Grande parte do divertimento (e da descontração) ocorre por causa dos atores no comando. Cameron Diaz (Shrek Terceiro) e Ashton Kutcher (O Bicho Vai Pegar) são dois astros que garantiram, ao longo dos anos, grande status, e fazem desse estrelato deles pura energia e descontração ao iniciarem uma guerra dos sexos. Diaz é ótima, alegre e sempre muito alto astral, ela contageia. E Kutcher faz seu papel de sempre. O diferencial aqui é que ambos se conectam numa química ótima e realmente recompensadora. Eles se divertem e, por conseqüência, acabamos por nos divertir também. É a chave do sucesso do filme, que pode falhar em aspectos diversos, mas nunca deixa de imprimir um sorriso no rosto de seu espectador.

Pega então essa dupla dinâmica, com ares de bom humor e química contagiante, mescla ao espírito sempre alegre da produção e ainda à um elenco coadjuvante igüalmente divertido com Rob Corddry (Antes Só do que Mal Casado) e Lake Bell (Nem por Cima do Meu Cadáver), e pronto, temos uma sessão blockbuster cômica bem sucedida. O roteiro pode pecar, o diretor pode ficar sempre preso àqueles clichês abomináveis, mas de alguma forma nos desligamos para isso, apenas para termos uma sensação agradável que, ao contrário de tantos filmes do gênero (e que este próprio copia tão bem), não ser só irritação, tédio e previsibilidade. “Jogo de Amor em Las Vegas” é, por isso, cinema falho, mas com suas próprias intenções de entretenimento, se sai bem sucedido ao cumprir sua promessa e nos levar ao divertimento fácil. E, apesar de estragar esse gosto com seus malditos minutos melosos finais, esconde nos créditos uma surpresa agradável da bagunça que foi o casamento em Las Vegas, ocultado até então na metragem. O longa se torna, por isso, contra todo o bom senso, recomendável.

Nota: 6,0

What Happens in Vegas (2008)
Direção:
Tom Vaughan
Roteiro: Dana Fox
Elenco: Cameron Diaz, Ashton Kutcher, Rob Corddry, Lake Bell, Queen Latifah, Jason Sudeikis, Treat Williams, Michelle Krusiec, Dennis Farina
(Comédia, 99 minutos)

Advertisements

Responses

  1. Esse eu até tive oportunidade de ver, mas dispensei sem pensar duas vezes. É o tipo de filme que a pessoa já sabe desde o começo o que vai acontecer no final (como foi comentado) e estou um tanto cansado para esse tipo de comédia – não gostei de “Um Amor de Tesouro”, por exemplo.

  2. Wally, você resume o filme no primeiro período de seu texto!!! “Jogo de Amor em Las Vegas” é totalmente clichê e previsível, mas funciona demais com a gente. E acho que a razão por trás disso é a química existente entre Cameron Diaz e Ashton Kutcher.

  3. Ao que parece a química do casal foi boa e deve ter superado um pouco a expectativa, pois a história é um clichê só.

    Abraço

  4. Wally, achei “Jogo de Amor em Las Vegas”, uma comédia como outra qualquer, mas ela não deixa de divertir. Dei boas risadas! ;)

    Beijos!

  5. Vinícius, apesar de ser desse típo de filme, como eu disse, o longa consegue divertir bastante pela química da dupla e a descontração. Não é nada como “Um Amor de Tesouro”, que é cansativo e excessivo demais nos personagens e nas atuações. Dê uma chance depois pra ele.

    Kamila, é exatamente isso mesmo! ;)

    Hugo o filme é clichê sim, mas diverte que é uma beleza. Vale pela dupla.

    Mayara, é isso mesmo. O filme cai no lugar comum, mas diverte ainda assim.

  6. Ainda não vi, achando que encontraria mais um filmezinho de romance bobo de Hollywood, mas parece que não. Vocês me animaram a alugá-lo, espero me divertir assistindo.

    Não sou fã dos protagonistas, mas nesse tipo de filme eles costumam funcionar bem. Vamos arriscar….

  7. […] do seu humor, definir a sessão de “O Melhor Amigo da Noiva”. Como o recente “Jogo de Amor em Las Vegas“, percorre o mesmo caminho que tantos antes dele e não traz o mesmo peso cômico que o […]

  8. Yuri, mas o filme é sim um filmezinho de romance bobo de Hollywood, o porém é o humor que funciona e a dupla cheia de química.

  9. […] 4. Jogo de Amor em Las Vegas (What Happens In Vegas) […]

  10. […] cores mais vivas), e claro, a ausência de Lawrence (Como Viajar com o Mala do Seu Pai) e Kutcher (Jogo de Amor em Las Vegas) como os dubladores da dupla principal. Em outras palavras, o segundo filme perdeu em técnica e […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: