Publicado por: Wally | Sexta-feira, Agosto 22, 2008

Número 9

Lançamento direto em DVD

Enumerando enigmas

Um ator com problemas emocionais se isola em uma casa com uma supervisora aparentemente neurótica, neste lugar desencadeando amizades e suspeitas. A resposta chega com dois segmentos posteriores, onde o mesmo personagem aparece como um criador de programa de televisão e um arquiteto de videogame.

A estréia do desde já enigmático John August na direção de seu própria roteiro (lembrando que ele roteirizou os três penúltimos filmes de Tim Burton) é uma curiosa e refrescante. Seu filme originalmente chamado de ‘Os Noves’ possui uma premissa de início absurda e o longa começa fazendo você coçar a cabeça inúmeras vezes. Isso inegávelmente desperta certo incômodo, mas é também extramamente interessante ver onde as idéias de August começam a se unir, no último segmento realmente fascinante do longa. A irregularidade deve ser o principal problema de tudo. Em vezes, o cineasta falha em o que quer dizer e em mais de uma vez ele desperta o desconforto ao invés da satisfação. É tudo uma questão de ficar mesmo ligado no filme e nos personagens e tentar ao máximo compreender seu fim enigmático. O que o filme desperta ao final que se revela derradeiramente satisfatório, pois não decepciona, entregando um desfecho reluzente em originalidade e idéias.

O longa de August mostra três perfis. O primeiro é o de um ator metido em encrenqueiras à la astros de hoje em Hollywood, bebendo, se drogando, sendo preso e finalmente posto sobre prisão domiciliar. Nesse meio ele vai achando suspeitas em sua volta, incluindo a constante presença do número nove. Não se enganem, porém, de que seja uma recapitalização de “Número 23”, fracassado thriller que vitimizou Jim Carrey ano passado contando a obsessão de seu personagem pelo número 23. No filme de August, o número possui um significado e uma representação bem mais profunda e interessante. Após esse segmento, adentramos um onde o personagem sofre ao criar uma série de televisão e lutar para colocá-la no ar. O segmento é interessantíssimo pois, como o anterior que fazia uma contextualização com o estado das celebridades atuais, aqui realiza uma analogia para com a indústria da televisão e todas as questões financeiras inconvenientes. Até o fim desse segmento porém, ainda me encontrava perdido em meus pensamentos. Alias, isso acaba prejudicando na hora de “divertir” e realmente “sentir” o filme.

Muito é compensado, porém, ao último segmento, onde aprendemos o verdadeiro significado do número e inicia-se um questionamento fascinante sobre religião, fé e deus ex machina. Nos deixa pensando bem sobre o que quer falar, sobre a existência ou não de um Deus e a existência de uma possível força motriz especial na terra designada a ser mais que um mero humano. Desenrola-se uma trama intrigante nesse segmento não muito claro e complexo, mas cheio de entrelinhas e significados. Basta dar mais uma olhada para compreender as intenções do cineasta, começando ao dar atenção ao personagem principal do segmento: um arquiteto, ou melhor, um criador de video-game (ou um mundo independente). O filme é essa loucura, e talvez por isso seja tão refrescante. O roteiro possui atributos realmente fantásticos. August não está completamente comfortável é na cadeira de diretor.

A identidade do filme, portanto, provém do roteiro imaginativo, subversivo e claro, original, não tanto da direção em vezes sem personalidade. Apesar de momentos bem conduzidos (inúmeros) senti falta de ousadia visual mais exemplificada e uma trilha mais onipressente, para compensar a frigidez de uma ou outra cena. Isso é valiosamente compensado pelo elenco. Ryan Renolds só surpreende e atingiu o equilibrio total aqui. Interpreta três personagens diferentes e comuns, e traz algo especial à eles único. Outra surpresa é Melissa McCarthy, fantástica e cheia de emoção. Hope Davis também brilha, ao passo que a pequena Elle Fanning mostra que chegou ao cinema para ficar definitivamente. Então entre personagens interessantes, narrativas transviadas, diálogos excelentes (percebem as analogias à “Louca Obsessão” e “Uma Mente Brilhante”) e um fim definitivamente provocador, encontramos um filme intensamente interessante, mesmo que tecnicamente e emocionalmente revele suas habituais falhas. São pedoáveis e o filme, recomendado.

Nota: 7,5

The Nines (2007)
Direção:
John August
Roteiro: John August
Elenco: Ryan Renolds, Melissa McCarthy, Hope Davis, Elle Fanning, David Denman, Octavia Spencer, Ben Falcone, Dahlia Salem
[Ficção, 100 minutos]


Responses

  1. Um dos melhores filmes do ano. Desde do ano passado que estava de olho nesse filme, junto com as boas criticas que sairam por lá. E não me frustrei. Um dos acertos mais legais que tive esse ano.

    Se brincar Wally, a questão tecnica do filme é o ponto que deveria ter deixado de lado. August não pode ter aquela pegada dos diretores que já tiveram a honra de dirigir os seus roteiros, porém ruim é algo que ele está longe de ser. Juntando a belissimas atuações e um roteiro enigmatico que ao mesmo tempo o espectador pensa que tem uma visão, porém ganha completamente outra quando se discute com outra pessoa fazendo assim que ganhe mais riqueza.

    Com certeza um filme maravilho e ultramente subestimado …

    e o filme tem 99 minutos …

  2. Você gostou deste filme muito mais que eu! A única storyline que gostei foi a segunda, que mostra o reality-show por trás da criação de um seriado de TV. No entanto, no meio da loucura do roteiro de John August, vale destacar a ótima performance do Ryan Reynolds.

    Bom final de semana!

  3. Não vi ainda, parece ser legal. Ryan Reynolds não é um ator que eu goste mas vale uma espiada em Número 9.

    Abraço!!!

  4. eu tenho um medo com essa historia de numeros, depois do numero 213 do Jim carrey jpa fico masi apreensivo…rs..
    Gosto dos trabalhos do Ryan Reynolds e pelo jeito parece ser algo bacana… vou procura-lo,a gora com a minha casinha, vaid ar pra pegar em dvd, rs.. pelo menos isso…rs
    abraços!!!

  5. Ainda não vi.
    Sempre me decepciono com filmes assim.

  6. Acho que o grande problema que tive com esse “Número 9” é que estava muito, muito ansioso pelo filme. Desde o primeiro pôster fiquei atento para outra trama do nível incrível de “Donnie Darko”, o que veio a se confirmar com o trailer. Pena que o filme não superou ou mesmo correspondeu a qualquer expectativa que tinha. Só achei surpreendente a atuação do Reynolds, mas “The Nines” tem seu público…

  7. Não vi mas achei a história interessante!! =D

  8. A história parece ser interessante, é esperar para conferir.

    Abraço

  9. Vixe! Nem tinha visto sua resenha sobre “Amadeus”, assisti o filme há um tempão e nem lembro direito como é!

    Sobre “Número 9”: Não assisti, mas saber que John August é diretor e roteirista vou sair à procura! Além do mais, adoro filmes enigmáticos!

    Abraço!

    P.S.: Vou ler sobre “Amadeus”!

  10. Wally, já é um alívio que este filme passe longe de um “Número 23”. Não tenho tanta vontade de assisti-lo, mas o tenho em DVD para um dia conferir com disposição.

    Excelente domingo, abraço!

  11. Fala, Wally!

    Já ouvi opiniões negativas sobre Número 9, e a sua mais puxada pro lado positivo até me surpreendeu. Quem sabe eu veja…

    Abraço!

  12. Rapaz… te digo que nunca ouvi falar neste filme. Espero que acredite!

    Abs! Bom domingo!

  13. Olá,

    Sou proprietário de Vídeo Locadora e possuo um Blog com dicas e sugestões aos empresários do setor, gostaria de firmar uma parceria com seu site e que possamos trocar idéias sobre cinema.

    O link do Blog:

    http://guiadavideolocadora.wordpress.com

    Desde já seu Site está adicionado aos links do “Guia da Vídeo Locadora”

  14. ♦João Paulo acredito ter admirado praticamente os mesmo méritos que você. Só achei que alguns aspectos do filme mereciam uma polida maior. Ainda assim, é mesmo subestimado por muitos.

    ♦Kamila meu segmento preferido foi o final, que uniu as idéias, e Reynolds está mesmo muito bem.

    ♦Pedro vale dar uma espiada sim. E Renoylds está começando a me conquistar.

    ♦Rodrigo não se preocupe, está à anos-luz do bobo “Número 23”, este é mais maduro.

    ♦Carranca já eu costumo me surpreender.

    ♦Vinicius eu já não esperava muito e não vi essa conexão com “Donnie Darko” a não ser em pequenos detalhes mais para o final do filme. O filme tem seus muitos defeitos, mas funciona e eu gostei. Reynolds está mesmo muito bem.

    ♦Robson é interessante sim!

    ♦Hugo veja sim.

    ♦Rafael se gosta desse estilo de filme então veja logo.

    ♦Alex não acredito que você vá gostar, mas veja sim, e me diga depois.

    ♦Louis eu achei um filme um pouco subestimado. Ele vale uma conferida.

    ♦Otavio acredito plenamente. Principalmente porque o marketing foi terrível. O filme é legal, por sua vez.

    ♦Junio obrigado pela preferência e estarei te linkando também. Espero firmar mesmo uma parceria. Qualquer coisa, meu msn é: cinemaniaco_wally@hotmail.com Abraço!

  15. Bom Dia!
    Sinceramente, eu esperava muito mais do filme.
    As cenas sem NENHUM tipo de ligação, só trazem angústia pra quem o assiste.
    Posso está profundamente enganado, porém nada me atraiu no msm. Somente os meus neurônios LOUCOS e CANSADOS procurando um significante desfecho pra um filme q mais parece outro triller sem sentido.
    Ryan Reynolds realmente atuou bem, mas nada surpreendente.
    Justamente por ele me parecer o msm personagem em todas as “partes” do filme q me deixou mais confuso ainda!
    Enfim; depois do Número 23, o Número 9 seria uma péssima pedida, ainda mais se vc estiver com sono! rs
    Cinéfilos, corrijam a minha ignorância se estiver completamente equivocada.

    Abraços, até + …


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: