Publicado por: Wally | Sexta-feira, Junho 27, 2008

O Resgate de um Campeão

Lançamento direto em DVD

Verdades farsantes

Erik é um jornalista em ascenção que escreve para a seção de esportes no jornal de seu estado. Com a sede de provar sua habilidade e se consagrar ao seu editor-chefe, vê em ‘Champ’ uma história refrescante. ‘Champ’ é um sem-teto que alega ser um boxeador famosíssimo de antigamente que todos acreditavam ter morrido. Erik se envolve aos poucos com o pobre e sua matéria se torna um grande sucesso, até descobrir o podre por trás de tudo, e enfrentar, ao lado de seu divórcio, problemas com o filho.

Seguindo aquele estilo de filme baseado em uma história real que esmiuça uma mentira, “O Resgate de um Campeão” é um filme que ronda a todo momento o usual e o comum, tanto em seu formato, a forma como sua narrativa flui e no maniqueísmo habitual, ao lado de personagens em momentos caricaturiais. O mais legal do filme é reservado para aqueles que fugiram de prévias, sinopses reveladoras e contra-capa, visto que o roteiro reserva uma surpresa bem agradável e interessante ao desenrolar da história. Uma pena que, como “A Ilha” o filme perca tanto por acabar sendo previsível, visto o marketing errôneo. Para minha felicidade, assisti o filme sabendo pouco e a atmosfera até então batida e previsível ganhou novos ares com o twist. Nada realmente marcante, mas o suficiente para deixar o filme mais interessante, e a partir disso, iniciar um ótimo desafio aos personagens, com direito à questionamentos morais.

Em outras palavras, a história apresentada no filme é uma muito boa, instigante, muito interessante na maior parte do tempo e oferecendo personagens plausíveis, cercados por um mundo atual e urgente, desfiados por questões morais e familiares. Nesse quesito, o filme funciona muito bem, e é o seu motriz. O problema é a forma como tudo foi conduzido, de uma maneira demasiadamente acadêmica, formal, sem ousadias ou surpresas (tirando a do roteiro). O diretor Rod Lurie se torna, com isso, um cineasta bem comum, deixando a desejar. Lembrando que o grande filme de sua carreira, o ótimo “A Conspiração” é forte justamente por causa do denso e intrincado roteiro, apresentando uma direção igualmente acadêmica de Lurie. O diretor só prevalece ao conseguir entregar autênticidade aos personagens e á certos dramas, que no roteiro não ganham um tratamente muito luxuoso ou oportuno.

Acredito que o melhor que este pequeno filme tem a oferecer seja um Samuel L. Jackson em uma brilhante e realmente memorável performance. Numa atuação realmente poderosa e única, ele é capaz de deixar seu personagem muito mais complexo e denso, fisgar mais a atenção da audiência e nos fazer importar por ele ao mesmo tempo que odiar, algo que sempre digo ser bem difícil para um ator, realizado anteriormente recentemente por Nicole Kidman em “Margot e o Casamento”. Pena que ele tenha sido tão desvalorizado, principalmente quando o inssoso Josh Hartnett entra em cena. Ta aí um ator do qual não consigo admirar de forma alguma, principalmente por ter transformado o personagem impecável de “Dália Negra” (pelo menos observando a obra de James Ellroy) em algo extremamente caricato e uni-dimensional. Neste filme, do qual ele debilita diversamente, ele encontra um pouco de redenção mais para o final. Perto do desfecho ocorre uma conversa entre ele e seu filho, numa cena bem escrita. Acho que o que ele demonstrou nela dá de dez a zero em qualquer outra coisa que já faz. Mas ainda não é aquele ator que poderia ter sido sublime ao lado de Jackson.

Um bom filme, “O Resgate de um Campeão” não é inesquecível e não permanecerá muito em sua mente. A impressão que deixa é realmente uma bem fina, mas pelo menos conta com alguns válidos atributos que o torna bem mais interessante e construtivo, como a performance excelente de Jackson e o estudo de personagens também bastante admirável, principalmente quando observado o questionamento ético e moral que toca de uma forma competente na força das palavras e como essas podem representar choques ou socos, podendo dar a vida ou tirá-la, ou em como cerca as mentiras sinceras e as verdades farsantes, como nem tudo é preto e branco e devemos observar os dois lados da moeda antes de fazer julgamentos precipitados e inconvenientes. Recomendo o filme, principalmente nesse seu formato em DVD, que deverá ser observado de uma forma descompromissada. É bom enquanto dura, mas apenas alguns elementos são bons o suficiente para se carregar consigo para casa. Muitos ficam perdidos no esquecimento, principalmente ao lidarmos com a estutura tão melodramático, ora cliché, ora batida, ora comovente.

Resurrecting the Champ (2007)
Direção:
Rod Lurie
Roteiro: Michael Bortman, Allison Burnett, baseado em artigo de J.R. Moehringer
Elenco: Josh Hartnett, Samuel L. Jackson, Kathryn Morris, Dakota Goyo, Alan Alda, Rachel Nichols, Teri Hatcher, Kristen Shaw
[Drama, 112 minutos]

 


Responses

  1. Vi o trailer deste e a história me pareceu interessante, apesar de já saber sobre essa história mentirosa que está no filme.
    A atuação de Jackson parece estar muito boa mesmo.

  2. Creio que já saíu em DVD em Portugal. Vou ver se dou uma espiada ao filme.

    Abraço.

  3. Fiquei curioso em relação a esse filme pelo fato do Samuel L. Jackson ser citado em algumas listas no ano passado como possível candidato ao Oscar de ator coadjuvante – e sua atuação parece ser ótima, pelo que pude confirmar aqui. Mas realmente é complicado ver qualquer coisa com o Josh Hartnett…

  4. Wally, eu estou com este filme aqui em casa e nem estava tão entusiasmada assim para vê-lo, mas depois de ler seu texto acho que isso vai mudar. Vou tentar seguir seus conselhos e encarar o filme de forma descompromissada.

    Bom final de semana!

  5. Vou tentar encontra-lo por aqui…
    Poxa, acho que vcs tao pegando mutio no pe do Josh Hartnett.. o cara é bonitão, arrebenta corações das meninhas indefesas e inocentes…rs… não tá valendo? rs
    Honetsamente pra mim ele não fede e nem cheira.. sempre nos filmes ele contracena com gradnes atores que sustentam o filme em si… como em “xeque mate” com o Bruce willis ou “sin city” como resto do elenco… o rpoblema é qdo ele é o centro das atenções como em “dália negra”, mas eu já fico mais sussegado com esse pelo fato de te o Samuel L. Jackons no elenco, que é fera!
    abraços!!!

  6. ♦Ibertson é um bom filme, mesmo que falho. Ao menos vale por um Jackson soberbo.

    ♦Red Dust o filme merece mesmo ao menos uma espiadinha.

    ♦Vinicius Jackson é a força motriz do filme, o melhor elemento, enquanto Hartnett pode muito bem ser um dos piores.

    ♦Kamila descompromisso é a melhor forma de se encarar um filme assim, sem grandes méritos. Tirando, claro, a atuação de Jackson.

    ♦Rodrigo deixemos que Hartnett seja amado pelas loucas e criticado pelos loucos, é melhor assim, rsrsrs. Mas ele realmente é um ator sem muito fundamento ou resistência, sempre está acompanhado. Já Jackson é um ator muito bom que atinge o ápice aqui.

  7. Faz parte da minha lista, mas ainda não conferi.

  8. Eu não gostei muito do que vi no trailer e resolvi que esperaria. Mas agora você me deixou bem curiosa quanto a atuação de Jackson, apesar de confirmar que devo assistir ao filme sem esperar muito mesmo…

    Beijocas

  9. Vou dizer que já cheguei a gostar do trabalho de Josh Hartnett, mas ultimamente só tem feito filmes do tipo bomba, abaixo das expectativas. Se ver, será graças à Samuel L. Jackson, que também não entrega atuações dignas há algum tempo – mas foi elogiado por esta, em especial.
    Abraço!

  10. ♦Isabela veja sem compromisso.

    ♦Cecilia a atuação de Jackson é o que há de melhor nesse falho filme.

    ♦Weiner acho que nunca fui com a cara desse ator, e antigamente cheguei a confundi-lo com outro ator de drama péssimo, Ashton Kutcher, que pelo menos é bom em comédia. Veja o filme por Jackson e nada mais.

  11. Não tinha o minímo interesse em assistí-lo, mas após seu texto acho q vou acabar conferindo… quem sabe pra ver uma boa atuação do Jackson, algo raro nos últimos anos..

    vlwss abraço !

  12. Pois é, eu li a crítica da SET e não fiquei muito empolgado com o filme, mas sua crítica me atraiu um pouco mais.

    Abraço, Wally!

  13. Rapaz, juro que eu não sabia desse filme. Valeu pela dica!

    Abs! Boa semana!

  14. ♦Sérgio veja, mas sem muita expectátiva.

    ♦Pedro é um filme bom, mas não espere muita coisa.

    ♦Otavio só não vá vê-lo esperando muita coisa. É bem mediano, valendo mais pela atuação de Jackson e algumas virtudes espalhadas pelo roteiro.

  15. […] à presença do amor é sempre bem introspectiva. O filme foi roteirizado por Allison Bunnet (O Resgate de um Campeão), baseado em romance de Charles Baxter e ronda intrigantemente as teias que movem o sentimento tão […]

  16. […] de um Crime), em um papel surpreendentemente consistente, evoca a força que exibiu em "O Resgate de um Campeão" e deixa para trás a canastrice de "Jumper" para compor um intenso personagem de […]

  17. […] de um Crime), em um papel surpreendentemente consistente, evoca a força que exibiu em “O Resgate de um Campeão” e deixa para trás a canastrice de “Jumper” para compor um intenso personagem de […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: