Publicado por: Wally | Quinta-feira, Janeiro 17, 2008

A Vida dos Outros

lives2.jpg 

Pequenos segredos sujos

Em 1984, se passado em uma Berlim ainda dividida, encontramos um agente da polícia secreta chamado Wiesler, vivendo na parte leste do país. Inteligente e habilidoso, os métodos de persuassão do agente são super valorizados. Ele é enviado, com isso, à investigar um escritor potencialmente perigoso para o governo e sua mulher. Aos poucos, porém, Wiesler ficará absorvido pela vida do casal.

No alemão A Vida dos Outros todo personagem guarda um segredo. Ao longo da narrativa majestosa do filme, somos absorvidos por esses segredos e essas pessoas, refletindo muito bem como o próprio personagem de Wiesler se sentia ao observar o casal “perigoso”. É uma raridade do cinema, encontrar personagens tão bons em um filme tão forte. É uma obra que começa de uma forma, lenta e introdutiva, e logo começa a absorver a audiencia, instigar, envolver, até chegarmos ao desfecho decisível, iqualmente maravilhoso. O filme toca brilhantemente nos aspectos frágeis do ser humano, as partes mais vulneráveis, seja o lado manipulativo, o emocionalmente quebrado ou até mesmo o psicológico instável. É um filme que te vence pelo panorama de personagens interessantes e altamente fascinantes.

vida1.jpgPor pouco não uma obra-prima, o filme tirou o Oscar de O Labirinto do Fauno, de Guillermo del Toro, ano passado. Fato muito contestado. Continuo achando que o filme de Del Toro merecia mais, mas é fácil perceber os valores inestimáveis desse denso drama, que é ao mesmo tempo provocativo e essencial, no melhor sentido da palavra possível. Retrata uma época controversa e ousa tocar em temas frágeis, construindo uma trama realista e intrigante sobre um homem que é seduzido pela vida dos outros, e logo torna-se quase que obcecado por ela. À assisti-la e a  compreende-la, mas logo se ve preso em um labirinto quando percebe as consequencias de seus atos, o descuido que nunca teve, a fraqueza que nunca revelou. Tudo isso é liderado perfeitamente pela ótima performance de Ulrich Mühe, que tragicamente morreu de cancer ano passado. Ele entrega uma maior densidade ao personagem. Algo ótimo, já que em momentos e digo isso pois acredito ser uma das poucas falhas do filme, me sentia um pouco distante do personagem de Mühe. O roteiro decide trabalhar mais o que acontece em sua volta do que ele mesmo. A verdade é que seu personagem só se torna interessantes de verdade no último ato, onde surpreende. Mas isso é redimido, sensacionalmente se devo dizer.

Além de Mühe, temos excelentes desempenhos de Sebastian Koch e principalmente Martina Gedeck, que fazem o casal excepcionalmente bem. Como para o personagem de Mühe, eles são o núcelo de tudo, a fonte magnética do filme. O diretor é ótimo. Donnersmarck é sutil quando necessário e chocante quando é preciso. Faz um trabalho equilibrado, denso e como disse, altamente instigante, que vai aos poucos te sugando. Seu roteiro é poderoso. Retrata a época muito bem, com detalhes, personalidade e verossimilhança e como disse, possui maravilhosos personagens. Sem contar diálogos fortes e eficientes. O longa ainda tem uma sedutora e marcante parte técnica. Nada exuberante, tudo simples, mas belo. A fotografia, a edição, mas acima de tudo, adorei a trilha sonora, de Gabriel Yared (colaborador de Anthony Minghella) e Stéphane Moucha, é um dos motivos do filme te envolver e carregar tanto. Suas composições oscilam entre o misterioso e o melancólico de forma estupenda. É uma das melhores de 2007.

Repito, uma quase obra-prima, o filme é sensacional e imperdível. Não ve-lo é estar recusando uma bela jornada por vidas inquietantes e fascinantes, que te deixam instigados e surpresos pelos atos que cometem e as escolhas que fazem. Dificílmente desagradará e se mantém, sem sombra de dúvida, como um dos 20 melhores filmes do ano passado. Sua força e seu efeito em mim é inquestionável, e sua meticulosidade, como também seus impressionantes valores cinematográficos, me conquistaram completamente, como poucos filmes conseguem. É um trabalho de arte acima de tudo, e um que realmente correspondeu às expectátivas e às pretensões.

[Das Leben der Anderen, 2006] Escrito e dirigido por Florian Henckel von Donnersmarck. Com Ulrich Mühe, Martina Gedeck, Sebastian Koch, Ulrich Tukur e Thomas Thieme. [Drama, 137 minutos]

lives.jpg

Vinícius Pereira do Blog do Vinícius

Anúncios

Responses

  1. O filme é maravilhoso, o diretor lida com o melodrama como ninguém. O roteiro é uma das coisas mais bem escritas em ano.
    Tem uma cena que gosto muito que é aquela do elevador, cheia de simbolismo e até mesmo uma compaixão por parte do protagonista.

    Nesse fim de semana vou publicar a lista de meus melhores do ano, e com certeza esse filme vai estar entre eles.

  2. Ah1 ainda bem que esse filme vai entrar aqui no cinema… depois dessa critica ainda fico mais convencido a ir ve-lo. Mas só daquia duas semanas ele entra… o negócio é aguardar…
    falow!

  3. Wally, estou doida para assistir a este filme, mas acho difícil que ele seja lançado nos cinemas daqui. Por isso, acho que a melhor alternativa, para mim, é esperar o lançamento dele em DVD.

  4. Também considero uma quase obra-prima, inclusive o final é um dos mais emocionantes do ano. A trilha do Gabriel Yared é maravilhosa mesmo, fiquei bastante impressionado com seu trabalho. Também prefiro “O Labirinto do Fauno”, mas esse prêmio não deixou de ser merecido – até porque foi para um estreante, o que é sempre bom. Valeu pelo link! Minha nota é 8,5 [****]

    Abraço!

  5. Eu adoro esses últimos filmes alemães, a maioria são todos focados na história política do país, uma temática que sempre rende obras excelentes. Gostei muito desse filme, mas o Oscar pra mim deveria ter sido de Del Toro, cujo filme na minha opinião foi o melhor de 2006, e um dos melhores e mais originais que já vi.

    Esperando seu texto de “Inland Empire”!

  6. Certamente é um filme intimista que lhe conquista aos poucos

  7. Realmente, me interesso muito por esse filme, mas não estreou por aqui. Me interesso ainda mais em saber que ele tirou o prêmio de Labirinto do Fauno.

    Abraço cara!

  8. Preciso ver esse filme… todo mundo recomenda… Deve ser excelente.

    Abs!

  9. Acho mesmoq eu só pelo simpels fato dele ter tirado o premio de labirinto do fauno, pois acho que é um filme muito bem feito… com problemas, logico, mas nada que atrapalhe a beleza dele…
    O cinema alemão têm tido bons exemplares de qualidade cinematografica: desde Corra lola, corra…ou Adeus Lênin, Edukators achei muito bom, além de A queda que além de ser polemico é muito bom tbm…laém doq eu garndes mestres estão por lá como Wim Wenders, Herzog…
    tomara que venha para a minha cidade, pois nada como assistir em telona no escurinho…
    abraços

  10. Lucas, realmente o filme é ótimo e cheio de simbolismos. Aguardo sua lista. Ele deve ficar entre meus 20 preferidos.

    Felipe, procure ver, é excelente!

    Kamila, assim que chegar em DVD (não deve demorar muito) pegue logo.

    Vinicius, concordo completamente. Mas minha nota é 9,0 ;)

    Romeika, o filme é ótimo mesmo, mas Fauno é melhor. #4 na minha lista de 10 melhores de 2006.

    Marfil, exatamente.

    Rodrigo, quando estreiar, veja, mas não é melhor que Fauno, pelo menos na minha opinião.

    Otavio, É excelente, muito forte.

    Rodrigo F., tudo no escurinho do cinema é melhor. E concordo, o cinema alemão entrega boas surpresas. Adoro A Queda e Adeus, Lenin, mas não vi Edukators ainda. Herzog é ótimo, até mesmo no cinema hollywoodiano.

    Ciao!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: