Publicado por: Wally | Segunda-feira, Novembro 12, 2007

Os últimos vistos em DVD

traffic1.jpg

Traffic 5 Stars

[idem, 2000] de Steven Soderbergh. com Benicio Del Toro, Michael Douglas, Don Cheadle e Catherine Zeta-Jones. [Policial, 147 min.] ® Vencedor de 4 Oscar; Indicado a 1

Dos vários filmes “mosáicos” dos quais já vi nos cinemas, e são muitos, Traffic com certeza sai na frente como um dos mais eficientes e competentes de todos. Apesar de não possuir um núcleo emocional completamente satisfatório, o longa dirigido brilhantemente por Steven Soderbergh é um empolgante retrato sobre o mundo das drogas, investigando cada lado do conflito, pelos vários olhares, desde os viciados, aos traficantes, até os políticos que tentam de qualquer forma acabar com a infecção. O roteiro magistral constrói genialmente várias narrativas, todas densas e apresentando detalhes dignos, principalmente quando se diz a corrupção e a política que ronda o tráfico de drogas. Tal mundo que é nutrido pelos filhos dos políticos que tanto tentam acabar com as drogas, que por sua vez, acabam sendo comprados, enquanto políciais honestos lutam para capturem os sujos. Traffic faz um complemento ótimo com Tropa de Elite. Apesar de serem filmes bem distintos, eles retratam uma realidade dolorosamente trágica, sem solução e maldiçoada. Os aspectos técnicos de Traffic também são ótimos, desde à fotografia de diversas personalidades, até a montagem impecável, unindo cada linha narrativa perfeitamente, para que tudo soe claro, fácil de perceber a conexão e interpretar. Fora isso, os atores brilham, com destaques para Michael Douglas, Catherine Zeta-Jones, Don Cheadle e, principalmente, Benicio Del Toro, um soberbo ator. É simplesmente um filmaço, importante, honesto e necessário, além de atingir um estado cinematográfico do qual pouquíssimos filmes ousam atingir.

exorcist.jpg

O Exorcista – Versão do Diretor 5 Stars

[The Exorcist, 1973] de William Friedkin. com Jason Miller, Ellen Burstyn, Max von Sydow e Linda Blair. [Terror, 132 minutos] ® Vencedor de 2 Oscar; Indicado a 8.

Não seria um exagero dizer que O Exorcista é o único filme até hoje, que não só me causa intensos calafrios, mas me deixa imensamente assombrado, mesmo após a sessão. Não tive a oportunidade de ver a versão original, da qual dizem ser superior, mas a versão do diretor já é uma obra-prima do terror. Friedkin dirige o filme com grande intensidade, cria visuais aterrorizantes, e envolve o espectádor em uma trama entre o verdadeiro bem contra o mal, em um suspense psicológico de tirar o fôlego. O roteiro, valorizando imensamente seus personagens, seus conflitos e suas emoções, para depois inserir o verdadeiro terror, é do típo de texto que orgulha um cinéfilo, e o deixa com um aperto no coração ao ter que assistir à tantos lixos do gênero nos dias atuais. O elenco também excelente, fico chocado com a performance única de Linda Blair, sem dúvida, a mais pertubadora do elenco, funcionando brilhantemente ao lado da ótima Ellen Burstyn. Sem dúvida, um filme para a história do cinema e que dificilmente será esquecido, e merecidamente. Destaques para a montagem, os efeitos sonoros assombrosos e a trilha sonora memorável.

three.jpg

Três Reis 4 Stars

[Three Kings, 1999] de David O. Russell. com George Clooney, Mark Wahlberg, Ice Cube e Spike Jonze. [Aventura, 114 minutos]

Inesperdamente original e instigante, me apaixonei com este único e ousado filme acerca da Guerra do Golfo e suas consequências sobre o lugar, uma visão pouco explorada pelo cinema que ganha um tratamento desiqual nesse longa cheio de humor ácido, personagens divertidos, diálogos brilhantes e muito entretenimento. O roteiro é grande destaque. Consegue fazer uma história de heroísmo, redenção e drama humano, no meio do caos de uma guerra da qual consegue ilustrar extremamente bem. Russell merece créditos nesse aspecto. Sua inventividade sempre o beneficío, seu filme nunca tomando rumos previsíveis, fugindo sempre do convencional e surpreendendo, ao mesmo tempo satisfazendo com sua ácidez e seu detalhismo, sendo preciso e emblemático acerca dos acontecimentos durante a guerra e com suas consequências. Os atores inserem algo a mais também, mesmo que nenhum atingindo a perfeição, Clooney, Wahlberg, Cube e Jonze não decepcionam, deixando seus personagens carismáticos, o tornando confiáveis, fácil de se apaixonar por eles. Minha paixão foi um pouco longe demais, e por pouco não considero Três Reis uma verdadeira obra-prima. Com alguns ajustes aqui e ali, com certeza teria chego lá.

breakfast2.jpg

Café da Manhã em Plutão 4 Stars

[Breakfast on Pluto, 2005] de Neil Jordan. com Cillian Murphy, Liam Neeson, Stephen Rea e Brendan Gleeson. [Drama, 135 minutos] Indicado ao Globo de Ouro.

Único e hipnotizante, Neil Jordan se sai vitorioso mais uma vez, seguindo seus instintos e arquitetando um filme ousado, belo e eccêntrico em todos os sentidos imagináveis. A começar pelo tema. Dando continuidade ao que começou em Traídos Pelo Desejo, mas sem o lado sombrio e o drama, com o humor prevalecendo aqui, Jordan retrata o transexualismo, nesse caso, um jovem que nasceu com um espírito de mulher do qual não consegui abandonar. Cillian Murphy atinge perfeição, na melhor atuação de sua carreira, enquanto o resto do elenco só encanta. Apesar do roteiro sofrer alguns tropeços, fica clara sua inventividade e sua audacidade em contar a história, ganhando realçes de Jordan nos visuais envolventes e na narrativa glamourosa, que nunca perde sua atenção. A personalidade de Kitten foi muito bem tratada e no final da sessão, você sente como se ele fosse seu amigo. A verdade é que filmes bem humorados como este, que pegam uma era como uma Londres no meio dos anos 60 e 70, a tratando com luxo e ar de prazer, merecem ser aplaudidos e esse filme, com charme e elegância, nunca pecando ao construír seu fascinante personagem, só diverte, principalmente quando se diz a trilha sonora impecável. Para ver e rever.

ano.jpg

O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias 4 Stars

[idem, 2006] de Cao Hamburger. com Michel Joelsas, Germano Haiut, Paulo Autran e Simone Spoladore. [Drama, 104 minutos]

Tocante e envolvente, o final nacional escolhido para representar o Brasil no próximo Oscar pode passar bem longe da perfeição – e da competência fantástica de Tropa de Elite – mas com um clima nostálgico memorável, uma trama bem construída e com bons personagens, acaba por conquistar a audiência. A estrutura convencional danifica um pouco o resultado, mas o diretor sempre ousa nas tomadas e no visual, cuja fotografia é belíssima e direção de arte genuína. O jovem ator Michael Joelsas só ajuda a manter o equilibrio na história, entregando uma extra dimensão ao seu personagem. O filme fala sobre solidão, amizade, esperança e na crença, mesmo em uma época onde a ditadura militar acabava com as pessoas do páis. Tudo isto visto pelos olhos inocentes de um jovem, que nunca realmente entendia o que acontecia ao seu redor. Suas emoções são autênticas e com isso, as da audiência acabam sendo também. Ao seguir a triste mas memorável trajetória desse garoto, percebe-se como o amor de mãe é importante, e como a solidão é a pior coisa do mundo. Um filme singelo e belo, bem filmado, e que não sairá de sua mente tão fácil.

erin.jpg

Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento 4 Stars

[Erin Brockovich, 2000] de Steven Soderbergh. com Julia Roberts, Albert Finney, Aaron Eckhart e Marg Helgenberger. [Drama, 130 minutos] Vencedor do Oscar; Indicado a 4.

Um envolvente drama sobre uma mulher que desafiou as estruturas da sociedade e conquistou não somente respeito, mas talento. Soderbergh capta muito bem a ascenção de Erin, uma mulher cheia de problemas domésticos e financeiros, mas que é dada uma chance e faz dessa oportunidade a felicidade de muitas pessoas. O verdadeiro valor do filme porém, reside na performance memorável da magnífica Julia Roberts, que encontra no filme o seu mais recompensador papel. Mesmo assim, o resto do elenco não abaixa a cabeça, e atuações memoráveis podem ser encontradas com Albert Finney e Aaron Eckhart. Com um roteiro inspirador e comovente, que exibe o sofrimento de Erin em arrumar sua vida ao mesmo tempo que tenta ajudar os outros, o trabalho de Soderbergh ficou mais fácil e apesar da longa duração, é um filme muito gostoso de se ver, com pitadas de humor agradável e um elo emocional conquistador que nasce entre Erin e a audiência. Não é o típico filme melodramático e inspirador sobre superação, mas um sincero, forte drama, que cria uma personagem fantástica.

exterminio.jpg

Extermínio 2 4 Stars

[28 Weeks Later, 2007] de Juan Carlos Fresnadillo. com Catherine McCormack, Robert Carlyle, Emily Beecham e Jeremy Renner. [Thriller, 101 minutos] ®

Intenso e angústiante, este é um verdadeiro filme de mortos-vivos, produzindo tensão, terror e adrenalina, acompanhados de um bom elenco, uma direção ágil e um competente roteiro. É tudo que um fã poderia querer. Em questões do gênero, só não supera seu antecessor, que produziu um comentário excelente sobre a natureza humana e o instinto da sobrevivência. De qualquer forma, necessário e entretenimento de primeira. Fresnadillo é um diretor realmente instigante, que produz cenas das mais fortes e eficientes, que ganham um tratamento ainda melhor com a edição perfeita. Trilha sonora também merece muito destaque. Apesar de ter um bom roteiro e interessantes visuais, é realmente o visual e as cenas de terror que empolgam, muito bem arquitetadas.
Crítica Completa

ocean.jpg

Treze Homens e Um Novo Segredo 4 Stars

[Ocean’s Thirteen, 2007] de Steven Soderbergh. com George Clooney, Brad Pitt, Matt Damon e Al Pacino. [Comédia, 122 minutos] ®

Melhor que o antecessor e inferior ao original, este terceiro filme contínua a aventura de Danny Ocean e seus colegas com humor ainda mais agudo e jogos ainda mais divertidos. A jogada da vez é vingança, e o vilão da vez, Al Pacino, entrega ainda mais recheio ao filme extremamente divertido, que inclui todos os atores de volta à ação (só faltaram as garotas Julia e Catherine). Incluindo uma direção de arte impressionante, e a parte técnica sempre admirável que o diretor Soderbergh costuma entregar, que inclui ótima fotografia, edição e tomadas brilhantes. O genialismo, felizmente, se estende também ao roteiro, que apesar das falhas, deixa de ser repetitivo para entreter com piadas genuínamente engraçadas, personagens ainda mais hilários e revira-voltas tão emocionantes quanto antes, sem os exageros do segundo filme. Um prazer de filme, realmente gostoso de se ver, do típo de sessão descompromissada que excede as expectátivas, se tornando em entretenimento inteligente e relevante. Ótimo.

trans.jpg

Transformers 3 Stars

[idem, 2007] de Michael Bay. com Shia LaBeouf, Megan Fox, Josh Duhamel e Tyrese Gibson. [Ficção, 144 minutos] ®

Mesmo que nos cinemas tenha sido muito mais recompensador, com o entretenimento visual de tirar o fôlego e os efeitos sonoros fantásticos, Transformers ainda se revela um bom filme quando visto em DVD, ignorando seus defeitos claro. Bobo em momentos, pouco denso em outros, o filme cumpre sua promessa de divertir, e no caminho insere personagens memoráveis e referências divertidas, incluindo uma ótima trilha sonora e claro, o visual impecável, que incluem os efeitos visuais mais empolgantes vistos em muito tempo. A longa duração (típica de Bay) pode incomodar, como também seus habituais maneirismos, mas o fato é que é diversão garantida e poucos irão resistir á emoção de presenciar robôs se acabando no meio do planeta Terra. Não é exatamente Spielberg, mas basta, e as subtramas funcionam relativamente bem, digno de uma revisão.

comedy.jpg

Comédia do Poder 3 Stars

[L’ Ivresse du pouvoir, 2006] de Claude Chabrol. com Isabelle Huppert, François Berléand, Patrick Bruel e Marilyne Canto. [Drama, 110 minutos]

Apesar de lento e um pouco político, Comédia do Poder é um bom drama sobre uma mulher desafiando a corrupção, ousando levar homens importantes para baixo. Se arriscando terrívelmente no caminho e tendo que lidar com seus próprios problemas de casamento, ela acaba sofrendo mais do que apostava. O diretor Chabrol poderia ter deixado tudo mais envolvente, mas o longa acaba te vencendo com os ótimos diálogos, personagens afiados e as atuação só ajudam. Huppert está excelente no papel título, divertindo e comovendo na medida certa. A ironia muitas vezes presente no roteiro satisfaz imensamente, mas é a densidade do mesmo que acaba agradando e conquistando a audiência. Fora o fato de ser deliciosamente francês, o filme ainda conta com parte técnica boa. Uma sessão recomendada, principalmente em DVD.

®: revisto


Responses

  1. [O Exorcista]
    Não gosto tanto do Exorcista. Certamente é um clássico obrigatório, mas não me transmitiu nenhum sentimento – seja medo ou tensão. Mas é inegável o feito técnico do filme.
    NOTA: 7.5

    [O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias]
    Nostálgico e muito bem filmado, com um lado técnico excelente. Mas não conseguiu me envolver muito ou cativar.
    NOTA: 7.0

    [Erin Brokovich – Uma Mulher de Talento]
    Magnífica interpretação de Julia, no melhor desempenho de toda sua carreira, com momentos emocionantes. O filme não é tão excelente, mas em nenhum momento se torna fraco ou abaixo da média, muito pelo contrário.
    NOTA: 8.0

  2. Para mim, TRAFFIC é o único filmaço da carreira de Soderbergh. O EXORCISTA é tudo o que vc escreveu! Um clássico!

    São os dois grandes filmes dessa lista.

    Abs!

  3. Traffic: FILMAÇO!!! Acho que a última coisa que o Soderbergh fez que realmente presta.

    Essa versão do diretor é a que eu tenho em casa de “O Exorcista” e este é um dos poucos filmes que eu assisto e que me causa medo sempre.

    Gosto de “Erin Brockovich”, de “Treze Homens e um Novo Segredo” e de “Transformers”.

    Apesar de bem feito, “Extermínio 2” não foi muito do meu agrado.

    E, que bom que gostou de “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”.

  4. “O Exorcista” vi há muito tempo e não tenho o que comentar, mas lembro que gostei muito – um dos melhores filmes de terror em todos os tempos. Ainda não conferi “Café da Manhã em Plutão” nem “Três Reis”. Os demais:

    9.0 [*****] TRAFFIC: Concordo com o Otavio, pois realmente é o melhor filme do Soderbergh – e nesse estilo que você comentou é um dos melhores que já vi. Merecia muito mais o Oscar do que “Gladiador”…

    8.5 [****] O ANO EM QUE MEUS PAIS SAÍRAM DE FÉRIAS: Um dos melhores filmes nacionais da década, mereceu a vaga do Brasil ao Oscar pelos aspectos que você comentou.

    9.0 [*****] ERIN BROCKOVICH: Já perdi a conta de quantas vezes vi esse filme e nunca me canso. É uma incrível história de superação e a Julia Roberts mereceu o Oscar sim, ainda que muitos não concordem.

    8.0 [****] EXTERMÍNIO: Gosto muito do gênero e esse é o melhor exemplar nesse ano, ao lado de “Planeta Terror”.

    6.5 [***] TREZE HOMENS E OUTRO SEGREDO: Acredito que o segundo era mais original e tinha diálogos super divertidos, o que raramente ocorre aqui. De qualquer forma vale pela excelente técnica, incluindo a perfeita direção de arte – que bem poderia ser indicada ao Oscar.

    5.5 [**] TRANSFORMERS: Apesar de ser um avanço na carreira do Michael Bay, traz os mesmos erros de seus filmes anteriores, só empolgando por causa dos efeitos.

    7.0 [***] COMÉDIA DO PODER: Acredito que seja um ótimo filme até determinado, mas não souberam uma forma adequada de concluir. A atuação da Huppert é o destaque, está entre as melhores do ano.

  5. * treze homens e UM NOVO segredo


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: